0

Criador da Nestlé iniciou império mirando desnutrição

Farmacêutico alemão começou a fazer fortuna ao juntar farinha, leite e açúcar num produto fácil de preparar

30 dez 2015
07h00
  • separator
  • comentários

É difícil imaginar que a desnutrição infantil seja um problema para a Suíça, que ostenta o terceiro maior IDH do mundo em 2015. No século 19, porém, os índices de mortalidade de bebês e crianças eram altos em algumas regiões país. Para combater o problema, um farmacêutico chamado Henri Nestlé passou anos desenvolvendo algo que substituísse o leite, e criou a Farinha Láctea. O produto rapidamente virou um sucesso mundial e lançou as bases para uma das maiores empresas do ramo de alimentação.

Vale a pena apostar em franquias de baixo investimento?

Nascido em 1814, em Frankfurt, o alemão Heinrich Nestlé foi o 11º de 14 filhos de Anna-Maria Catharina Ehemant e Johann Ulrich Matthias Nestlé, vidraceiro que havia herdado o negócio do pai. O jovem, porém, estava decidido a não trilhar o mesmo caminho, e aos 18 anos tornou-se aprendiz de farmacêutico.

Henri Nestlé soube divulgar benefícios e criar cadeia de distribuição que fizeram da Farinha Láctea um sucesso mundial no século 19
Henri Nestlé soube divulgar benefícios e criar cadeia de distribuição que fizeram da Farinha Láctea um sucesso mundial no século 19
Foto: Nestlé/Flicker / Shutterstock

Após terminar o treinamento, em 1836, mudou-se para a cidade de Vevey, em uma região da Suíça com influência francesa, onde adquiriu uma indústria especializada na produção de óleo de nozes, combustível das lamparinas da época. Num sinal de apreço à cultura do novo país, adotou um nome mais familiar aos falantes de francês: Henri Nestlé.

Nos primeiros anos de operação da fábrica, fez desde cimento até limonadas e água mineral. Na década de 1850, aventurou-se na produção de insumos para iluminação a gás e fertilizantes.

Encontrou o caminho ideal ao se debruçar sobre as altas taxas de mortalidade de crianças na região de Vevey, que, avaliava o empresário, deviam-se em grande parte à falta de leite de vaca fresco. Testou algumas fórmulas até chegar, em 1867, a um substituto que considerou eficiente: mistura entre leite de vaca, farinha de trigo e açúcar.

Outros preparos eram usados para suprir a carência de nutrientes entre as crianças, mas a criação de Nestlé tinha como diferenciais a facilidade no preparo (bastava acrescentar água fervida) e o fato de retirar o amido da composição, facilitando a digestão e a aceitação entre as crianças.

Convencido da qualidade do produto, dedicou-se a divulgá-lo, distribuindo panfletos a médicos e farmacêuticos. A Farinha Láctea rapidamente virou sucesso de vendas na Europa. Em 1868, a Nestlé já contava com escritórios de venda em Reino Unido, França e Alemanha. No ano seguinte, o produto chegava aos Estados Unidos.

Quando Nestlé resolveu vender a empresa a seus parceiros, em 1875, a marca já era conhecida em várias partes do mundo, como Argentina, Austrália e Egito. Após se desfazer do negócio, viveu em retiro na região suíça de Montreux Glion até falecer, em 1890, vítima de um ataque cardíaco.

A companhia por ele fundada continuou crescendo e ampliando suas atividades. Construiu e comprou fábricas em outros países da Europa. Incorporou novos produtos, como leite condensado, chocolate ao leite e café instantâneo. Hoje, a Nestlé é considerada a 43ª marca mais valiosa do mundo, avaliada em US$ 247 bilhões pela revista Forbes, e emprega mais de 330 mil pessoas.

Fonte: PrimaPagina

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade