Saque do FGTS não afetará construção civil, diz Meirelles

14 fev 2017
0comentários
Publicidade
Henrique Meirelles participa de anúncio do calendário de saque das contas inativas do FGTS
Henrique Meirelles participa de anúncio do calendário de saque das contas inativas do FGTS
Foto: Agência Brasil

O financiamento da habitação e o setor construção civil não serão afetados pelo saque dos recursos das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), afirmou hoje (14) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Segundo Meirelles, o governo fez cálculos "rigorosos" para evitar um possível impacto.

"Fizemos cálculos atuariais bastante rigorosos e concluímos que há recursos suficientes para assegurar recursos, em nível adequado, para financiamento da habitação no país. Não terá nenhum problema nessa área", disse o ministro a jornalistas, após o anúncio do calendário de saques. O cronograma será de acordo com o aniversário dos beneficiários e começa em 10 de março.

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, destacou que um dos motivos pelos quais a autorização de saque restringe-se às contas inativadas até 31 de dezembro de 2015 é manter o equilíbrio na utilização dos recursos do FGTS.

Segundo ele, o governo não considera estender a autorização às contas que ficaram inativas após a data. "Temos tido bastante cuidado com a sustentabilidade do sistema do FGTS. Essas coisas foram calculadas e simuladas. Qualquer medida adicional dependerá de passar por esse tipo de avaliação", disse.

No início deste mês, o governo anunciou a ampliação do Programa Minha Casa. O orçamento do programa subiu de R$ 64,4 bilhões para R$ 72,9 bilhões, um incremento de R$ 8,5 bilhões. O limite de renda para participar do programa também foi aumentado, de R$ 6,5 mil para R$ 9 mil por família. Na ocasião, o presidente Michel Temer afirmou que as mudanças representam uma combinação de programa social e estímulo ao setor da construção civil.

*Colaborou Pedro Peduzzi

Veja também

Vídeo revela danos causados pelo EI nas ruínas de Palmira:

 

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade