PUBLICIDADE

Falta de água afeta de boteco a restaurante chique em SP

Pequenos empresários do ramo de alimentação estão perdendo clientes na capital paulista por causa da crise hídrica

20 out 2014 08h32
ver comentários
Publicidade
Boteco no Tucuruvi teve de servir seus clientes com copos e pratos descartáveis por não ter água suficiente para lavar a louça
Boteco no Tucuruvi teve de servir seus clientes com copos e pratos descartáveis por não ter água suficiente para lavar a louça
Foto: Malachy666 / Shutterstock

O que um boteco na região do Tucuruvi tem em comum com um restaurante chique no Alto de Pinheiros? A reposta é simples: os dois estão sentindo na pele os efeitos da crise hídrica que afeta a cidade de São Paulo. Com os níveis dos reservatórios que abastecem a capital paulista cada vez mais baixos, donos de bares e restaurantes estão perdendo clientes por causa da escassez de água na capital paulista.

André Mifano, sócio e chefe do sofisticado restaurante Vito, localizado no Alto de Pinheiros, conta que está enfrentando problemas com água desde o início do ano, mas nos últimos meses a situação piorou. “Desde julho, já tivemos de fechar o restaurante por seis vezes. Em outras quatro, precisamos contratar caminhões-pipa a um custo de R$ 400 cada”, reclama.

Empresário aposta no turismo adaptado após ficar paraplégico

Saiba como 'espiões' podem ajudar a avaliar atendimento

Simples nem sempre é melhor regime tributário para pequenos

O problema se agrava ainda mais, segundo Mifano, pela imprevisibilidade dos cortes no fornecimento. Para tentar se precaver, ele estabeleceu que todos os dias, antes de abrir e depois de fechar o restaurante, alguém precisa subir no telhado e verificar se está entrando água na caixa.

“Parecia que eles cortavam à noite e religavam antes das 9h da manhã. Porém, de uns tempos para cá, os cortes passaram a ser em horários muito aleatórios, fica impossível prever. Seria melhor ter um racionamento com os dias e horários certos em que vai faltar água, assim poderíamos nos preparar”, argumenta o chefe.

Já na região do Tucuruvi, Sueli Pontes, proprietária do Bar de Vidro, teve de recorrer ao plástico para superar a falta de água no dia 10 de outubro, uma sexta-feira. “A água acabou por volta das 21h, e como o movimento no fim de semana é muito grande, não tínhamos mais como lavar a louça. Então começamos a servir as coisas com copos, pratos e talheres descartáveis”, revela.

Até o momento, esta foi a única vez em que o estabelecimento enfrentou um problema do tipo. Porém, ela já está se precavendo para o caso de novas ocorrências e aumentado o estoque de utensílios descartáveis. “O problema é que, com o tempo, o pessoal começa a reclamar, pois ninguém gosta ser servido em algo de plástico. Além disso, já temos descargas e torneiras com redução de consumo, mas agora estamos pensando em colocar mais uma caixa d’água”, completa Sueli.

Contando com a sorte
Alguns estabelecimentos ainda não sofreram maiores problemas porque, apesar de terem o fornecimento de água cortado, conseguiram suportar a demanda dos clientes com seus reservatórios. É o caso do pub O’Malley’s, situado na região da Paulista, que registrou falta de água em duas segundas-feiras, dia de menor movimento.

“Até enchemos alguns baldes com água da caixa, mas não foi preciso usá-los. Porém, se o corte ocorrer em uma sexta, quando recebemos três vezes mais clientes, vamos ter de recorrer a um caminhão-pipa. Isso se houver algum disponível, porque todos vão querer”, prevê a gerente operacional Vanessa Arcanjo.

A situação não é muito diferente em Perdizes, onde está localizado o restaurante Blú Bistrô. Segundo a proprietária Ana Beatriz Dias, faz cerca de três meses que o local vêm sofrendo com cortes de água todos os dias depois das 20h. “Até o momento, nosso reservatório deu conta do problema. Porém, só temos reserva para um dia. Se acontecer de o fornecimento não ser retomado, ficaremos sem água”, diz.

Para minimizar o problema, o restaurante está adotando algumas medidas de economia, que já resultaram em uma redução de 50% na conta de água. “Mudamos o sistema de limpeza, passando a usar mais panos úmidos, e paramos de lavar a frente e o chão do restaurante todos os dias. Também chegamos a fazer um orçamento para aumentar nosso reservatório, mas como o restaurante é pequeno, não teríamos espaço”, finaliza.

Fonte: PrimaPagina
Publicidade
Publicidade