Pesquisa: 68% dos deficientes estão insatisfeitos com função

22 nov 2011
16h16 atualizado às 16h25
16h16 atualizado às 16h25
Publicidade
Marina Pita
Direto de São Paulo

A falta de compatibilidade entre a função exercida por pessoas com deficiência, seu grau de escolaridade e capacidade são os maiores fatores de descontentamento no emprego, de acordo com pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (USP). O levantamento junto a 628 trabalhadores com deficiência e 566 sem deficiência mostrou que 68,9% dos profissionais com deficiência têm este sentimento, enquanto entre trabalhadores em geral este porcentual é de 42,8%.

A pouca compatibilidade apontada entre capacidade/experiência e função é ainda mais gritante: 62,8% entre profissionais com deficiência contra 34,6% dos trabalhadores em geral. Na verdade, poucos profissionais com deficiência estão satisfeitos com o emprego atual (apenas 57,4%, contra 67,6% do grupo sem deficiência) ou com a carreira (53,6% contra 65,8%), conforme mostrou a pesquisa.

Ao contrário do que se costuma imaginar, o salário não é o principal fator de desencanto dos entrevistados, de acordo com a Fipe. "Apesar de 53,2% considerarem que ganham abaixo da média do mercado, a maior queixa é mesmo a falta de valorização e perspectiva de ascensão profissional", apontou a instituição em relatório.

A pesquisa faz parte do projeto Monitoramento da Inserção da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho, da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Deficientes estão mais insatisfeitos com o trabalho
Deficientes estão mais insatisfeitos com o trabalho
Foto: Getty Images
Fonte: Especial para Terra
Publicidade