0

Taxar grandes fortunas não traz muita vantagem, diz Levy

O ministro lembrou que os Estados tributam a herança; e os municípios, a transmissão de bens entre pessoas vivas

27 fev 2015
18h32
atualizado às 18h32
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A taxação de grandes fortunas arrecada pouco e não traz grandes vantagens para a distribuição de renda, disse nesta sexta-feira (27) o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

<p>Ministro da Fazenda, Joaquim Levy destacou que doações de dinheiro praticamente não pagam Imposto de Renda</p>
Ministro da Fazenda, Joaquim Levy destacou que doações de dinheiro praticamente não pagam Imposto de Renda
Foto: Paulo Whitaker / Reuters

Para ele, o aumento do Imposto de Renda em determinados casos tem mais eficácia para aumentar a arrecadação de pessoas ricas.

“A taxação estática de grandes fortunas (quando o imposto incide sobre a riqueza, não sobre a renda) não arrecada muito e não tem muita vantagem. O principal instrumento de tributação é a renda”, declarou o ministro ao ser perguntado sobre propostas de parlamentares de aumentar a taxação de fortunas.

O ministro lembrou que os Estados tributam a herança; e os municípios, a transmissão de bens entre pessoas vivas. Ele, no entanto, destacou que doações de dinheiro praticamente não pagam Imposto de Renda.

“Quem recebe uma doação de R$ 1 milhão hoje paga muito pouco de Imposto de Renda. É uma quase renda que não está sujeita à tributação. Existem numerosas combinações e possibilidades que não se restringem ao Imposto sobre Grandes Fortunas”, completou o ministro.

Quanto é preciso ganhar para financiar uma casa em 11 cidades? Quanto é preciso ganhar para financiar uma casa em 11 cidades?

Veja também:

BC corta Selic para 3% ao ano
Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade