publicidade
22 de janeiro de 2013 • 17h58

SP: indústrias fecham 2012 com 52,5 mil vagas de trabalho a menos

 

Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) divulgaram um estudo nesta terça-feira apontando que a indústria paulista fechou o ano de 2012 com 52,5 mil vagas a menos. Segundo o levantamento, até dezembro do ano passado foram demitidos 66,5 mil trabalhadores.

Segundo o levantamento, o número de demissões em 2012 é maior do que foi apurado em 2011, quando foram fechados 1.500 postos de trabalho pela indústria paulista.

De acordo com as entidades, "a perda de empregos na indústria paulista em 2012 só não foi maior porque o setor de açúcar e álcool não devolveu por completo trabalhadores ao mercado, uma vez o volume de chuvas acima do normal no segundo semestre do ano passado retardou a colheita". Caso a safra de cana não tivesse sido registrada até dezembro, que foi seguida pelo plantio, as demissões seriam próximas dos 60 mil postos, diz a Fiesp.

Fiesp e o Ciesp esperam para 2013 um crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todas as riquezas do País) e recuperação da atividade industrial para 3,9%, contra os 4,1% estimados em 2012.

As entidades dizem, no entanto, que "há um pouco de folga na mão de obra, e a recuperação em 2013 deve ser inferior à perda ocorrida em 2012", uma vez que "as indústrias preferiram manter um nível relativamente elevado de trabalhadores para não entrar em custos de rescisões do trabalho e enfrentar a dificuldade de recontratação que é oferecida hoje pelo mercado de trabalho".

Entre as cidades com desempenho negativo, Cubatão computou a queda mais expressiva do ano (-9,60%), abatida pelas perdas em celulose, papel e produtos de papel (-90,17%) e metalurgia (-16,42%). Americana fechou o ano com baixa de 7,18%, pressionada pelo desempenho dos setores de confecção do vestuário e acessórios (-16,59%) e produtos têxteis (-10,76%). Diadema caiu 5,95%, com perdas mais expressivas em metalurgia (-33,64%) e produtos de borracha e de material plástico (-11,33%).

Presidente Prudente foi a cidade que computou a maior alta, com taxa positiva de 9,62% em 2012, impulsionada por artefatos de couro e calçados (33,05%) e produtos alimentícios (17,50%). A região de Botucatu registrou ganho de 5,18% e Franca subiu 3,71%.

Terra