0

Para turista, comprar passagem aérea no Brasil é "pesadelo"

27 dez 2013
13h44
atualizado às 16h15
  • separator
  • comentários

Perguntado a respeito de sua experiência comprando passagens aéreas no Brasil, o consultor de finanças americano Jonathan Richards não tem dúvidas: "é um pesadelo". No Brasil há duas semanas, ele visita o país regularmente para encontrar amigos e diz já ter tido diversos problemas em sites de linhas aéreas brasileiras.

"Se você não tiver um cartão de crédito brasileiro, o seu cartão é rejeitado", diz Jonathan Richards
"Se você não tiver um cartão de crédito brasileiro, o seu cartão é rejeitado", diz Jonathan Richards
Foto: Arquivo Pessoal / BBCBrasil.com

"Tentei o site da TAM há três anos e não era feito para estrangeiros. Para para esta viagem, tentei usar a Gol. Eles permitem dão a opção de comprar um passaporte, mas se você não tiver um cartão de crédito brasileiro, o seu cartão é rejeitado", disse à BBC Brasil.

"Eles te dizem que você precisa ligar para um centro de autorização e dão um número brasileiro sem o código da cidade ou do país. Eu consegui descobrir a cidade, liguei, esperei por algum tempo e fui atendido por uma pessoa que não falava inglês. Então, desisti."

"A Azul tinha a opção de comprar sem um CPF, mas quando cliquei nesta versão, o site deu defeito, então não tentei mais". Procuradas pela reportagem, as companhias afirmam que oferecem opções de atendimento e de pagamento aos estrangeiros e que trabalham para realizar melhorias em seus sites.

Simulações de compras feitas pela BBC Brasil mostram que os sites das quatro maiores empresas de aviação do Brasil - TAM, Gol, Azul e Avianca - já têm versões em outras línguas, nas quais é possível cadastrar-se com o número do passaporte ou até prescindir de um documento para a compra da passagem. Todas elas também declaram aceitar cartões internacionais, mas a compra na prática ainda é difícil.

Pagando no aeroporto
O consultor de negócios internacionais francês Jean-Claude Fernandes, de 39 anos, vem ao Brasil regularmente desde 2004 e reconhece as mudanças para melhor no atendimento das linhas aéreas. Mesmo assim, ao voltar ao país em junho para a Copa das Confederações, ele ainda teve dificuldades para conseguir viajar para seis cidades-sede do torneio.

"Eu fiz sete ou oito voos pelo Brasil. Consegui comprar dois voos com a TAM da Europa e comprei os outros com a Avianca. Mas (esses últimos) não consegui com o cartão. Tive que ligar para a central de atendimento, eles reservaram as passagens e eu paguei no aeroporto", conta. "O bloqueio do cartão estrangeiro ainda é muito ruim. Passei uma noite tentando fazer as reservas."

Processo frustrante
Há duas semanas, a japonesa Yoshiko Nagai, de 35 anos, voltou ao Brasil para passar as férias. Na primeira visita, em 2009, não conseguiu comprar passagens aéreas de São Paulo a Salvador com antecedência pela internet. "Um amigo em São Paulo me deu o contato de uma agência de viagens e eu comprei por e-mail. Os sites não aceitavam meu cartão de crédito", conta.

"Tive que ligar para a central de atendimento, eles reservaram as passagens e eu paguei no aeroporto", conta Jean-Claude Fernandes
"Tive que ligar para a central de atendimento, eles reservaram as passagens e eu paguei no aeroporto", conta Jean-Claude Fernandes
Foto: Arquivo Pessoal / BBCBrasil.com

Mas em outubro deste ano, quando planejava a volta, ela teve o mesmo problema: "Tentei comprar em todas as linhas aéreas e não consegui. Mesmo com algumas falhas de tradução, os sites eram claros e eu consegui avançar no processo com facilidade. Mas não consegui chegar ao fim dele, porque o problema era o cartão de crédito".

Para "evitar a confusão e as passagens de avião muito caras", Nagai diz que não voltará ao país para a Copa do Mundo. "Eu gosto muito deste país. Só queria que houvesse infraestrutura melhor, para virmos mais facilmente. O Brasil já é muito longe do Japão e é um processo longo comprar passagens de lá e conseguir o visto."

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade