PUBLICIDADE

Cédulas de dólar antigas não são aceitas em alguns países

18 set 2013 07h35
| atualizado às 07h35
ver comentários
Publicidade

Apesar de os Estados Unidos nunca terem mudado sua moeda oficial desde 1785, quando o dólar foi definido pelo Congresso como a unidade monetária a ser adotada em todo o território, as cédulas sofreram muitas mudanças através dos anos. Por isso, não conte com aquela nota antiga que você guarda na carteira para dar sorte quando for viajar para o exterior.

Nos Estados Unidos, todas as notas de dólar são válidas, tenham elas sido impressas em 1950 ou no ano passado. Em outros países, no entanto, cédulas mais antigas, principalmente as de US$ 100 impressas antes de 1996, podem não ser aceitas com tanta facilidade. O diretor de negócios corporativos da Confidence Câmbio, Fábio Agostinho, explica que principalmente em pequenos estabelecimentos, ou em cidades do interior, é mais comum que notas antigas não sejam aceitas pelo receio de falsificação e falta de meios para comprovar sua autenticidade. Assim, a recomendação dele é que, ao viajar para outros países, o turista carregue sempre dinheiro na moeda local para evitar imprevistos.

Segurança
De acordo com Agostinho, a Confidence compra tanto cédulas antigas quanto novas, desde que estejam em bom estado de conservação e sejam verdadeiras. Mesmo as notas mais velhas, que não contam com muitos recursos antifraudes podem ter sua validade verificada através de procedimentos como a análise sob luz negra. No entanto, de acordo com ele, na hora de comprar dólares, os clientes costumam preferir as notas de US$ 100 emitidas depois de 1996, conhecidas como “carudas”, que possuem mais dispositivos de segurança contra falsificações.

As "carudas" têm esse apelido por apresentar uma figura grande de Benjamin Franklin, e não apenas o rosto dentro de um círculo no meio da cédula, como as anteriores. Recentemente, o Federal Reserve (FED, banco central dos Estados Unidos) apresentou um novo modelo da nota de US$ 100, que ganhou mais dispositivos de segurança, como uma fita em 3D, com imagens de sinos e inscrições com o número 100, que aparecem de acordo com a inclinação do papel.

Fraudes famosas
Além das mudanças nas cédulas, outros problemas podem fazer com que algumas séries sejam impopulares, principalmente por serem associadas a casos famosos de falsificação. As notas emitidas em 1988, por exemplo, são recusadas por causa de fraudes verificadas naquele ano. Em 2001, já com o novo modelo, um grande número de notas falsas foram encontradas no Peru. Por isso, as cédulas que começam em séries CB e AB, com o código B2 abaixo, também ficaram marcadas como pouco confiáveis.

Para Agostinho, a melhor maneira de se proteger de falsificações é comprar divisas em estabelecimentos confiáveis, filiados ao Banco Central (BC). “Recomendo que se peça sempre Boleto de Câmbio, que é um comprovante oficial de procedência, que pode ser solicitado para sair do País, e é oferecido obrigatoriamente por estabelecimentos filiados ao BC”, afirma.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
Publicidade
Publicidade