0

Fronteira oferece preços pela metade; entenda a fiscalização

30 out 2013
07h31
atualizado às 07h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Quem quer fugir do alto movimento em free shops pode antecipar as compras de natal. As regiões fronteiriças oferecem produtos até 50% mais baratos e há opções para todas as idades, desde presentes para as crianças até preparativos para as festas.

Roupas de marcas como Tommy Hilfiger, GAP, Lacoste e Abercrombie são facilmente encontradas nessas regiões. Produtos cosméticos também fazem sucesso, é possível encontrar marcas mundialmente famosas, como Victoria’s Secret, Lancôme e Revlon, com preços ótimos. Diversas marcas de maquiagem como M.A.C., L’Oreal e Clinique tem preços muito reduzidos.

Um perfume importado chega a custar menos da metade do preço no Brasil. “A dica é sempre conferir se a loja é confiável, para saber se o produto é original”, aconselha o autor do guia de viagens online Compras na Fronteira, Gustavo Simchen. A máscara de cílios da Givenchy Phenomen’eyes, por exemplo, custa R$ 135, na Sephora Brasil; no free shop Sineriz, de Rivera, sai por US$ 29 (R$ 63).

Entre os eletrônicos, os artigos mais procurados são os portáteis, como câmeras e videogames. Televisões e computadores são pouco atrativos, pois normalmente excedem a cota de isenção e são mais difíceis de serem transportados. As bebidas são muito procuradas também por apresentarem preços até 50% mais baratos do que no Brasil.

No Uruguai, existem casas especializadas em vinhos, pois o país é um grande produtor da bebida. Também encontra-se garrafas proveniente do Chile, Argentina e de outros países, bem como os espumantes, vodcas e tequilas. Um espumante Freixenet que pode custar R$ 50 no Brasil, no Uruguai, sai por US$ 9 (R$ 20).

Entenda a fiscalização
Para aproveitar as vantagens de comprar na fronteira, é preciso estar atento aos limites. Por terra, a cota é de US$ 300 por pessoa, seja adulto ou criança. O intervalo entre viagens deve ser de pelo menos um mês. Este valor é intransferível, ou seja, não se podem somar os limites das pessoas de um mesmo grupo para comprar mais. A cota de isenção só se aplica a bens de uso pessoal. Se as compras não ultrapassarem a cota, não é necessário fazer declaração.

O valor que ultrapassar o limite é tarifado em 50%, considerando imposto de importação. É responsabilidade do turista procurar uma agência da Receita Federal e fazer essa declaração, bem como pagar o imposto antes de se sujeitar a fiscalização. Evitando multas e possíveis apreensões de produtos.

Estão isentos da fiscalização os produtos de uso pessoal utilizados durante a viagem, como a câmera fotográfica, relógio de pulso e celular. Quanto à quantidade, há limites como 12 litros para bebidas alcoólicas e 10 maços de cigarro por pessoa.

É permitido trazer até 20 unidades de produtos com valor até US$ 5 cada desde que não sejam mais de 10 unidades idênticas. Para produtos de valor maior, são liberadas 10 unidades no total, desde que não haja mais do que três iguais. Para roupas, é considerada bagagem o que for utilizado durante a viagem. Nesse caso, são considerados a duração e o tipo da viagem.

Veja também:

BC corta Selic para 3% ao ano
Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade