inclusão de arquivo javascript

 

 
 

Economia » Notícias

 Qual o tamanho do pré-sal?

31 de agosto de 2009 • 09h03

As reservas de petróleo descobertas abaixo da camada de sal no litoral brasileiro se estendem por cerca de 800 km, de Santa Catarina ao Espírito Santo, e chegam a ter 200 km de largura, em uma área de 112 mil km quadrados. Para atingir as jazidas de óleo e gás, entre 5 mil e 7 mil m de profundidade, é preciso perfurar até 2 mil m de sal, sob uma lâmina d'água entre 1 mil e 3 mil metros de profundidade.

Até o momento apenas as áreas de Tupi e de Iara (na Bacia de Santos) e do Parque das Baleias (na Bacia de Campos) tiveram avaliação que permitiu estimativas de volumes recuperáveis. A Petrobras avalia que as três áreas podem produzir pelo menos 9,5 bilhões de barris, podendo chegar a 14 bilhões de barris, o que corresponde às reservas atuais da Petrobras no Brasil.

Se forem confirmadas as estimativas, o Brasil dobraria o volume de suas reservas de petróleo e ultrapassaria o Catar, a China e os Estados Unidos, que possuem 15,2 bilhões, 16 bilhões e 20,9 bilhões de barris de petróleo cru, segundo dados de 2008 da Agência Central de Inteligência americana (CIA). Com isso, o Brasil passaria para a 12ª posição do ranking da agência, que é liderada pela Arábia Saudita (266 bilhões de barris).

De acordo com o Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), um campo com as dimensões de Tupi, com reservas estimadas entre 5 e 8 bilhões de barris de petróleo equivalente, necessitaria de investimentos da ordem de US$ 50 bilhões durante sua vida útil. Considerando-se as informações ainda preliminares disponíveis, o instituo prevê que os investimentos totais para desenvolver todo o pré-sal brasileiro podem ultrapassar US$ 1 trilhão.

Nos últimos dois anos, somente a Petrobras investiu aproximadamente R$ 1,7 bilhões na perfuração de 15 poços que atingiram as camadas pré-sal. Oito já foram testados e indicaram presença de petróleo leve de alto valor comercial e grande quantidade de gás natural associado, mas ainda não tiveram comercialidade declarada à Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Desafios


O maior desafio para a exploração das novas reservas é a camada de sal, que sob alta pressão e alta temperatura se comporta como um material plástico, o que exige o desenvolvimento constante de tecnologias. O primeiro poço perfurado pela Petrobras na área demorou mais de um ano e custou US$ 240 milhões.

Outro desafio é a distância de cerca de 230 km do litoral brasileiro. O petróleo produzido pode ser produzido e escoado direto das plataformas para navios e transportados para terra. Já o gás natural só pode ser escoado por dutos. Por navios o gás somente pode ser transportado depois de liquefeito.

» Governo cede e tira urgência de marco


» Investimentos podem chegar a US$ 111 bi


» Governo entrega marco com 1 ano de atraso


» Investidores temem incertezas de novas regras


» Confira a linha do tempo com as descobertas

Divulgação

Reservas abaixo da camada de sal se estendem por 800 km da costa brasileira

Redação Terra
Todos os direitos de reprodução e representação reservados.
 
 
 
 
 
Disculpe, seu navegador não aceita frames<a href="www.terra.com.br"> terra </a>