publicidade
14 de setembro de 2012 • 07h31 • atualizado às 07h45

Mercado de água de coco movimenta R$ 340 mi por ano

De acordo com um levantamento da consultoria Concept, de São Paulo, em 2011 o setor de água de coco embalada movimentou R$ 340 milhões
Foto: Dreamstime / Terra
 

A água de coco embalada caiu no gosto dos brasileiros e, hoje, representa um bom mercado para quem decide investir na bebida. De acordo com um levantamento da consultoria Concept, de São Paulo, em 2011 o setor movimentou R$ 340 milhões. O consumo de água de coco chegou a 65 milhões de litros no ano passado.



Apesar de oferecer dados animadores, um dos desafios do mercado para as pequenas empresas é lidar com a concorrência das grandes companhias. Mas alguns empreendedores têm conseguido se beneficiar do bom momento da tradicional água de coco. É o caso do empresário Diogo Dantas Gaspar, proprietário da AquaCoco, de Natal. Ele começou no mercado com um carrinho de venda de coco verde e hoje comercializa 100 mil litros da bebida por mês.



O negócio começou como uma "brincadeira entre amigos". Diogo havia acabado de retornar de um intercâmbio e estava trabalhando como professor de inglês e decidiu investir em um negócio paralelo. "Tudo começou quando um amigo me propôs a compra de um carrinho de venda de água de coco para tirarmos uma quantia para a cerveja do final de semana", relembra. "Na época, peguei um cheque emprestado com meu avô e compramos o carrinho. Aliás, esse cheque não foi pago até hoje", revela.



A brincadeira deu certo e pouco tempo depois eles começaram a embalar a água de coco e vender para bares, restaurantes e lanchonetes da região. Hoje, dez anos após a abertura do negócio, Diogo não tem mais o sócio, que decidiu seguir a carreira de advogado. A AquaCoco cresceu e produz parte da água de coco vendida. Além disso, conta com outro produtor parceiro. A bebida é comercializada em copos de plásticos que são produzidos por uma terceirizada.



Segundo o empresário, o negócio atende 2 mil pontos de vendas no Rio Grande do Norte, Alagoas e Paraíba. A média anual de crescimento da AquaCoco, em faturamento bruto, é de 15% ao ano. Hoje, a principal meta da empresa é chegar em 2015 com a venda mensal de 300 mil litros de água de coco.



Além da água de coco, a AquaCoco produz suco de frutas, doce de coco verde e faz a reciclagem da casca do coco.



Beba Rio

A Beba Rio surgiu em 2009 com a ideia de exportar bebidas saudáveis para o mercado europeu. Depois de dois anos enviando água de coco para o exterior, a empresa recebeu mais um sócio e investiu na produção para o mercado interno e no lançamento de novos produtos.



Neste ano, a empresa adicionou mais dois produtos ao portfólio: capim santo e uva verde. Mesmo assim, o carro-chefe ainda é a água de coco verde. Apesar de estar no mercado europeu há mais tempo, o Brasil é o maior consumidor da marca. Hoje, são 3,5 mil pontos de venda entre as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Francisco Nogueira, sócio da Beba Rio, atribui o sucesso nacional aos novos hábitos dos brasileiros que, segundo ele, estão a cada dia inserindo mais produtos saudáveis no cardápio.



Francisco avalia que não é fácil para uma empresa pequena sobreviver nesse mercado. As grandes companhias conseguem melhores preços por conta de volume de produção e conquistam mercados fieis. Cabe aos novos e menores se destacar de alguma forma.



"A gente procurou se destacar na produção de uma bebida que gera qualidade de vida e bem-estar. Nosso produto é 100% coco verde e possui uma pequena quantidade de conservantes para ter prazo de validade de um ano", explica. "Já a água de coco das grandes é feita de pasta de coco, que vem da Indonésia e da Tailândia, misturada com água mineral e açúcar."



A Beba Rio espera crescer 100% em 2012 e lançar mais dois produtos no ano que vem.

Cross Content