publicidade
26 de setembro de 2012 • 19h48

Maioria dos bancários aceita proposta e encerra greve

 

Os bancários dos bancos privados e do Banco do Brasil (BB) das principais capitais confirmaram as perspectivas do Comando Nacional e decidiram aprovar a proposta da Fenaban e voltar ao trabalho quinta-feira. O levantamento está sendo feito pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), que acompanha as assembleias de todo o País entre a noite desta quarta-feira e a quinta-feira.

De acordo com a Contraf-CUT, aceitaram a proposta da Fenaban os seguintes sindicatos: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Alagoas, Porto Alegre, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Paraíba, Piauí, Mato Grosso, Pará, Amapá, Campo Grande, Rondônia, Acre e Roraima. Com isso, os bancários de bancos privados e do BB voltam ao trabalho nesta quinta-feira. O sindicato do Ceará rejeitou a proposta apresentada. Em Florianópolis (SC), a assembleia da categoria será realizada amanhã.

Segundo informações do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, os funcionários do Banco do Brasil de São Paulo também aceitaram a proposta. Mais cedo, os bancários de Piracicaba (SP) e Londrina (PR) também acolheram o reajuste proposto pela Fenaban, segundo informações da Contraf-CUT. Outras assembleias estão acontecendo nesta quarta-feira pelos 137 sindicatos representados pela confederação para decidir pela volta ou não aos trabalhos.

Na terça-feira a Fenaban apresentou uma proposta ao Comando Nacional dos Bancários que eleva para 7,5% o reajuste aos trabalhadores, além de 8,5% de aumento no piso salarial e dos auxílios-refeição e alimentação. Pela nova proposta, os bancos ofereceram piso salarial de R$ 1.519 - alta de 8,5% - auxílio-refeição mensal de R$472,15, cesta básica de R$ 367,90, além de participação nos lucros (PLR) de 90% do salário mais R$ 1.540 fixos, com teto de R$ 8.414,34.

Após uma reunião na terça-feira, o Comando Nacional de Greve dos bancários considerou positiva a contraproposta oferecida e recomendou a aprovação do acordo em assembleias.

Caixa
As assembleias realizadas hoje também analisaram a proposta apresentada pela Caixa Econômica Federal. Contudo, os empregados do banco decidiram permanecer em greve em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Pará, Ceará, Bahia e Sergipe. "Vamos fortalecer a greve na Caixa, buscando cobrar mais avanços para os trabalhadores", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários.

Porto Alegre
Segundo a Contraf-CUT, a negociação entre a Fetrafi-RS, Contraf-CUT, Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e sindicatos do interior do Estado com representantes da direção do Banrisul foi concluída nesta quarta-feira com apresentação de uma proposta da instituição à pauta de reivindicações específicas dos funcionários. Os empregados do banco decidiram manter a greve em assembleia realizada por considerarem a proposta insuficiente.

Entenda
Os bancários aprovaram greve por tempo indeterminado nas assembleias realizadas em todo o País no dia 12 de setembro. A categoria rejeitou a proposta dos bancos, de reajuste de 6%, que foi considerado insuficiente. Os bancários reclamam da falta de diálogo e negociação com as instituições financeiras.

A categoria pede reajuste salarial de 10,25%, com 5% de aumento real, e o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 4,961,25 fixos. A categoria também exige a criação de planos de cargos, carreiras e salários para todos os bancários, entre outras reivindicações.

Com informações da Agência Estado.

Terra