2 eventos ao vivo

Instituto Embelleze qualifica mão de obra de setor em alta

20 jan 2012
07h42

Com crescimento médio na casa dos dois dígitos nos últimos quinze anos, o setor de beleza tem se consagrado como uma das grandes apostas para o empreendedor que deseja abrir um negócio com lucro certo. E é justamente nesse mercado que atua o Instituto Embelleze, rede de franquias que oferece cursos profissionalizantes na área de beleza.

A rede de franquias Instituto Embelleze capacita profissionais para atuar no segmento de beleza
A rede de franquias Instituto Embelleze capacita profissionais para atuar no segmento de beleza
Foto: Divulgação



Segundo João Carlos Basilio, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), a expressividade do setor é reflexo das mudanças na sociedade. Um exemplo é a maior inserção da mulher no mercado de trabalho, mesmo ainda tendo salários menores que os dos homens. O resultado disso é um aumento no poder de compra feminino, principal público consumidor do segmento.



Hoje, sobra gente disposta a consumir beleza e falta mão de obra especializada - principalmente na prestação de serviços. Essa opinião é compartilhada por Basilio e pelo gerente de operações do Instituto Embelleze, por Eduardo Tegeler.



Os números da rede comprovam a teoria: em 2011, o faturamento foi de R$ 120 milhões - 32% maior do que no ano anterior. Para 2012, a meta é chegar a R$ 150 milhões e abrir 50 unidades. "O foco de expansão está nas cidades com até 100 mil habitantes. Nesses lugares, a mão de obra qualificada é escassa e existe um grande mercado para os profissionais que se formam conosco", diz Tegeler.



No Instituto Embellezze, o franqueado une até três negócios em um: a escola, a venda de produtos - sempre da marca Embelleze - e o atendimento ao público. Os alunos aprendem com a experiência prática e os preços cobrados estão abaixo da média de mercado. O mix de serviços garante uma rentabilidade de cerca de 30% sobre o faturamento, de acordo com informações da rede.



O carro-chefe do negócio é o curso de cabeleireiro, responsável por 60% das matrículas. Depois, vêm manicure e pedicure, com 15%. O restante está distribuído entre outros cursos oferecidos, como os de maquiagem e de depilação.



De acordo com Tegeler, não é preciso experiência nem conhecimento na área de beleza para abrir uma franquia na área. O apoio técnico para a escolha dos professores, por exemplo, vem da rede. O maior desafio para o franqueado é saber lidar com as expectativas dos alunos, pertencentes, em sua maioria, às classes C e D. "Quando uma pessoa procura qualificação profissional, ela também quer mudar de vida. É fundamental fidelizar o aluno em todas as aulas para que ele não desista no meio do caminho", diz.



Jeane Resende abriu sua primeira franquia do Instituto Embelleze na região Centro-Oeste, em Taguatinga (DF), há seis anos. Para ela, a boa expectativa de retorno financeiro não foi a única responsável pela escolha da marca. "É prazeroso ver que, por meio da profissionalização, você consegue mudar a vida de alguém", conta. Jeane garante que o negócio vale a pena em termos financeiros, tanto que no final de 2011 comprou uma segunda unidade, também no Distrito Federal, que vai começar a operar ainda em 2012. A dobradinha dedicação ao trabalho e crescente conscientização de que profissionais qualificados são necessários é o que garante o sucesso do negócio, afirma a franqueada.



Instituto Embelleze em números
Setor: Beleza
Resumo do negócio: Rede de franquias que oferece cursos profissionalizantes na área de beleza
Número de unidades: 250
Unidades próprias: Nenhuma
Faturamento médio mensal: R$ 30 mil a R$ 75 mil, após dez meses de operação
Taxa de royalties: 8% da receita efetiva dos cursos
Taxa de propaganda: 2%
Capital para instalação: R$ 107.800 a R$ 206.800
Taxa de franquia: R$ 29.900 (cidades com menos de 100 mil habitantes) a R$ 59.900 (cidades com mais de 250 mil habitantes)
Capital de giro: Depende do tamanho da franquia, variando entre R$ 27.200 e R$ 36.500
Prazo de retorno estimado: 18 a 27 meses
Lista de principais concorrentes no segmento: Apenas concorrentes locais, sem expressão nacional


Cross Content
Especial para o Terra

Fonte: Terra
publicidade