0

Inadimplência no aluguel atinge maior nível em cinco meses

6 nov 2012
09h34
atualizado às 11h04

A porcentagem de inquilinos inadimplentes aumentou 0,5% ponto percentual em agosto e chegou ao maior patamar em cinco meses, segundo dados divulgados pela seção paulista do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-SP).

Número de inquilinos paulistas inadimplentes aumentou 1,33%, passando de 3,75% do total de contratos em julho, para 3,8% em agosto. A culpa é do comprometimento de renda
Número de inquilinos paulistas inadimplentes aumentou 1,33%, passando de 3,75% do total de contratos em julho, para 3,8% em agosto. A culpa é do comprometimento de renda
Foto: Shutterstock



Em julho, 3,75% dos contratos não tinham sido pagos; no mês seguinte, a proporção subiu para 3,80% - a mais elevada desde março (4,32%), que corresponde a um aumento de 1,33%. As imobiliárias receberam de volta 2.042 casas e apartamentos, número equivalente a 56,57% do total de novas locações.



A alta se deve ao endividamento de parte dos paulistas, que estão com a renda comprometida no financiamento de outros bens, devido à facilidade de crédito, avalia o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto.



Desde 2008 o governo tem estimulado o consumo através de medidas como redução de impostos e facilidade de acesso ao crédito. Essa situação, diz o professo de economia Samy Dana, da Faculdade Getúlio Vargas (FGV), gera inadimplência - que, segundo o Serasa Experian, teve um aumento de 8,2% em setembro deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado.



"O preço do aluguel aumentou muito. Os locadores perderam o senso do preço. Mesmo com o fácil acesso ao crédito, o paulista não está conseguindo viver como gostaria. Esses preços estão insustentáveis e vão em algum momento retroagir", comenta Dana.



O presidente do Creci-SP afirma que a inadimplência compromete a confiança do locador no inquilino. "O proprietário que já teve problemas de pagamento com o inquilino prefere elevar o valor do aluguel na renovação do contrato, para que ele desista do imóvel por falta de condições. Já quem paga em dia tem a possibilidade de renovar o contrato sem aumentos".



Veja também:

Bolsas continuam a cair
Fonte: PrimaPagina
publicidade