PUBLICIDADE

Governo anuncia corte de R$ 69,9 bilhões no Orçamento

Uma das vitrines do governo, Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) teve R$ 25,7 bilhões bloqueados

22 mai 2015 - 16h45
(atualizado às 18h17)
Ver comentários
Publicidade
Maior corte do governo Dilma foi anunciado pelo ministro Nelson Barbosa (Planejamento)
Maior corte do governo Dilma foi anunciado pelo ministro Nelson Barbosa (Planejamento)
Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

O governo federal anunciou nesta sexta-feira um corte de R$ 69,9 bilhões no Orçamento de 2015. A medida é parte do esforço da equipe econômica de Dilma Rousseff para gastar menos e cumprir a meta de superávit primário, que é a economia para o pagamento da dívida pública.

Siga o Terra Notícias no Twitter

A tesourada atinge todos os ministérios e é maior que a registrado em outros anos do governo Dilma. Em 2014, o congelamento foi de R$ 44 bilhões, preservando alguns ministérios.

Dos R$ 69,9 bilhões, R$ 21,4 bilhões correspondem a emendas de parlamentares e R$ 25,7 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma das vitrines dos governos do PT. Outros R$ 22,9 bilhões são referentes a demais despesas.

Em números absolutos, o maior corte foi no Ministério das Cidades, que ficará sem receber R$ 17,2 bilhões. A Saúde e a Educação, que possuem orçamentos elevados, terão cortes de R$ 11,7 bilhões e R$ 9,4 bilhões, respectivamente. 

"É o primeiro passo necessário para a recuperação do crescimento de forma sustentável", disse o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, ao anunciar os números. 

Barbosa negou que o congelamento de recursos no PAC possa prejudicar programas em andamento. "Há uma redução do PAC, mas mesmo o valor que permanece (R$ 40 bilhões) é suficiente para fazer muitas coisas. Esse valor vai ser suficiente para fazer o que está em andamento e iniciar projetos novos", disse.

Segundo números divulgados pelo Ministério do Planejamento, o governo trabalha com uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,2% e uma inflação acumulada de 8,26%. A meta de superávit é de 1,1% do PIB, correspondente a 66,3 bilhões. "Estamos trabalhando para que a economia brasileira volte a crescer no segundo semestre", explicou Barbosa, estimando um cenário de retração no primeiro semestre, que deve influenciar no resultado anual do PIB.

Além dos cortes, o governo também enviou ao Congresso medidas de ajuste fiscal para economizar mais neste ano. O Palácio do Planalto ainda não conseguiu concluir as votações, que envolve mudanças em regras de acesso ao seguro-desemprego e pensão por morte. O Ministério do Planejamento planeja economizar R$ 5 bilhões com as restrições ao seguro-desemprego, aproximadamente R$ 2 bilhões menos após as modificações no Congresso. 

Principal articulador dos ajustes, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não foi ao anúncio do contingenciamento, como esperado. No início da semana, Levy disse que o corte ficaria entre R$ 70 e 80 bilhões, mas o número foi pouco abaixo do "piso" estimado. O ministro Nelson Barbosa disse que o colega faltou ao compromisso devido a uma gripe. 

O contingenciamento, como é chamado o bloqueio de recursos, precisava ser anunciado até hoje, um mês depois da publicação do Orçamento. 

 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade