0

Nova ferramenta da Caixa permite consultar FGTS dos últimos 25 anos

9 dez 2013
12h08
atualizado às 12h56
  • separator
  • comentários

A Caixa Econômica Federal lançou nova opção para gerar e visualizar extratos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A nova ferramenta permite consultar, pela internet, o extrato dos lançamentos dos últimos 25 anos, ocorridos após a centralização das contas do FGTS na Caixa. Antes, o trabalhador podia obter apenas os últimos seis registros. O serviço eletrônico “Extrato Completo” já está disponível nos endereços www.caixa.gov.br e www.fgts.gov.br.

O trabalhador deverá cadastrar senha para acessos às informações, informando seu PIS e aceitando o “Termo de Cadastramento”. Além do “extrato completo”, o internauta encontrará os serviços como atualização de endereço, extrato por e-mail e serviços no celular.

A estimativa da Caixa é 2 milhões de acessos ao novo serviço até o final 2013. Nos últimos 12 meses, cerca de 25 milhões de trabalhadores acessaram os serviços eletrônicos do FGTS. A Caixa enviou aproximadamente 300 milhões de extratos diretamente para as residências desses clientes. A Caixa também disponibilizou, no período, consultas de saldo nos terminais de autoatendimento e enviou cerca de 50 milhões de mensagens eletrônicas para o telefone indicado pelo trabalhador.

De acordo com a Caixa, ao optar pelo serviço de mensagens no celular, o trabalhador recebe, gratuitamente, informações da conta vinculada ao FGTS, como o valor do depósito mensal feito pelo empregador, o saldo atualizado com juros e correções monetárias, a liberação de saque e outras movimentações. São enviadas duas mensagens por mês: uma referente ao recolhimento regular e outra referente ao crédito de juros e atualização monetária. A adesão a esse serviço inibe a geração de extrato bimestral do FGTS, diz a Caixa.

<a data-cke-saved-href="http://economia.terra.com.br/infograficos/direitos-trabalhistas-teste/iframe.htm" href="http://economia.terra.com.br/infograficos/direitos-trabalhistas-teste/iframe.htm">veja o infográfico</a>
Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade