Economia

publicidade
31 de julho de 2012 • 09h09

Em greve, caminhoneiros interditam estradas pelo País

Greves interditam estradas de diversos locais do País
Foto: Divulgação
 

Uma manifestação de caminhoneiros interdita diversas estradas do País nesta terça-feira. A paralisação tem alcance nacional e começou na quarta-feira passada, em protesto contra alterações trazidas pela Lei 12.619, que permitiu a entrada de 600 mil veículos na operação de frete. Isso teria gerado concorrência desleal.

Outras mudanças rejeitadas pelos caminhoneiros são a obrigatoriedade do uso do cartão-frete, que teria inviabilizado as operações de recebimento e pagamento e a regulamentação do tempo de direção, que exige descanso obrigatório de 11h por dia e 30 minutos de pausa a cada quatro horas trabalhadas, sem oferecer melhoria de infraestrutura para isso nas estradas.

Santa Catarina
Deacordo com a Polícia Rodoviária Federal, a pista da BR 282 está parcialmente interditada por período indeterminado nos km 605, 406,5 e 645, nas cidades de Maravilha, Catanduva e São Miguel do Oeste, respectivamente. Nesses locais, o trânsito está liberado apenas para veículos de passeio, ônibus, cargas perecíveis e ambulâncias.

Outra interdição foi realizada no km 110 da BR 158, no km 121 da BR 163 e no km 123,7 da BR 480, nas cidades de Cunha Porã, Dionísio Cerqueira e Chapecó. Nas cidades de Xanxere (km 505) e Concórdia (km 90) o movimento foi encerrado às 19h e 16h30, respectivamente, nessa segunda-feira.

Espírito Santo
No Espirito Santo, a BR 262, na altura do Km 9,5, em Viana, está bloqueada nos dois sentidos. O mesmo acontece na BR 101, no km 284,5, em Cariacica, onde a estrada está totalmente bloqueada. Em Iconha, no km 374 da BR 101, há uma faixa liberada, mas a estrada segue interditada. Em Linhares, no km 158 da BR 101, passam apenas carros de passeio e ônibus. As informações são da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Paraná
Já no Paraná segundo a PRF, estão liberados apenas carros e ônibus nos Km 118 (Campo Largo) e 399 (Guarapuara) da BR 277. Na BR 376 (Apucarana), foi bloquado o km 323. Em Toledo, a BR 467 foi interditada no Km 78, e em Peabiru, na BR 158, o Km 207. Na BR 487 a estrada, em Campo Mourão, foi interditada no Km 196. Em Medianeira, no km 670 da BR 277. Foi bloqueado também o km 452 da BR 277 em Laranjeiras do Sul. Na BR 163, foram bloqueados os km: 7 (Barracão), 42 (Ranchita), 64,5 (Pérola do Oeste) e 85,5 (Capanema).

Rio Grande do Sul
Em Porto Alegre, os manifestantes ocupam a Ponte Móvel, no km 97 da BR 290. A mesma estrada foi bloqueada no sentido capital, na altura do km 97 e tem as regiões de Canoas e São Leopoldo congestionadas. A BR 116, na região metropolitana de Porto Alegre, também tem trânsito intenso.

Rio de Janeiro
De acordo com o boletim das 10h da CCR Nova Dutra, concessionária da rodovia Presidente Dutra, a estrada para o Rio de Janeiro está interditado do km 24,2 até o 25,5, em Lavrinhas (SP). Não há lentidão ou congestionamento nesse trecho. Em Resende (RJ), há quatro km de congestionamento na altura do km 302, com caminhões estacionados no acostamnto e a faixa da esquerda liberada.

Ainda na estrada para o Rio, há 1,5 km de congestionamento no km 290, passando por Porto Real. O mesmo ocorre em Barra Mans, na altura do Km 273,5, onde os veículos param por 14 km, e no Km 276, onde são 11 km congestionados. Em Piraí, na altura do Km 228, há um quilômetro de lentidão, onde os caminhões estão no acostamento e na faixa direita, mas a faixa da esquerda está livre. Em São Paulo, a Dutra está bloqueada na altura do quilômetro 276.

A intenção dos grevistas é impedir que caminhões abastecidos de alimentos cheguem à Companhia Estadual de Abastecimento (Ceasa). Já há risco de desabastecimento de alguns produtos. O clima é tenso no bloqueio. Por alguns momentos, fica aberta apenas uma faixa, mas na maioria do tempo os motoristas simplesmente não conseguem passar pelo local no terceiro dia de greve dos caminhoneiros. Os grevistas, munidos de paus e pedras, tentam intimidar possíveis "fura-greve".

O congestionamento em Barra Mansa já ultrapassa 15 km e a Polícia Rodoviária Federal afirma que tem apenas 10 homens para controlar o movimento. Há pelo menos outros três pontos de bloqueio ao longo da via.

Preocupado com o aumento da adesão ao movimento, o ministro dos transportes Paulo Sérgio Passos convocou uma reunião com os grevistas para a tarde desta terça-feira em Brasília. O primeiro encontro é com a União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), contrária à paralisação. Depois, terá reunião com o Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), que deu início à mobilização.

Polêmica
Dirigentes de duas confederações nacionais de trabalhadores da área de transporte afirmam que as manifestações de caminhoneiros em rodovias brasileiras têm a participação direta de empresários, o que indicaria a ocorrência de locaute (greve patronal). O Artigo 17 da Lei Federal 7.783, em vigor desde 1989, proíbe a paralisação de atividades por iniciativa do empregador.

Para o presidente da CNTT, os empresários do setor estão usando os trabalhadores para manter seus custos reduzidos e não abrir novos postos de trabalho. O movimento alega que as exigências impostas pela lei são "inviáveis por falta de infraestrutura nas estradas". Sancionada em abril deste ano, a lei tornou obrigatório, desde o final de junho, o controle de jornada de todos os motoristas que trabalham no transporte rodoviário de cargas e passageiros.

Conforme a nova legislação, os motoristas devem fazer uma jornada de trabalho de oito horas diárias, com no máximo duas horas extras, além de uma pausa de trinta minutos a cada quatro horas trabalhadas. A lei alterou artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e do Código de Trânsito Brasileiro. Os profissionais que não cumprirem as regras poderão ser multados pela Polícia Rodoviária Federal.

Terra