1 evento ao vivo

iPhone 6 com defeito comprado na Europa deve ser trocado

Apple no Brasil diz que não pode resolver o problema porque o telefone não foi homologado ainda pela Anatel

  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Fabiana recorreu às redes sociais para desabafar após ouvir que a Apple não trocaria o aparelho
Fabiana recorreu às redes sociais para desabafar após ouvir que a Apple não trocaria o aparelho
Foto: Arquivo pessoal / Divulgação

De volta ao Brasil após uma temporada na Europa, a empresária Fabiana Bergamaschi trouxe na mala um iPhone 6 Plus 128GB, verdadeiro sonho de consumo dos aficcionados por tecnologia. Imaginou-se sortuda ao comprar o último aparelho disponível em uma Apple Store em Praga, na República Checa, no penúltimo dia de viagem. Só tirou o telefone da caixinha depois de descer do avião, já em solo brasileiro. E aí começaram os problemas.

Apesar da configuração impecável, o iPhone 6 de Fabiana tem um problema grave na câmera: a imagem fica sempre embaçada, a ponto de ser inviável tirar fotografias. Se ela quiser telefonar e acessar a internet, sem problemas. Mas fotos no Instagram? Pode esquecer.

Claro que Fabiana não ficaria com o Iphone estragado na mão. Ela conta ter entrado em contato com duas lojas da Apple, duas assistências técnicas e com o suporte via site para tentar reparar o aparelho. Afirma até ter se disposto a pagar pelo serviço, caso fosse preciso. Nada feito. 
Restou contar a história e desabafar via Facebook (em um post sem foto), em 21 de novembro.
“Agora vou atirar essa porcaria na parede”, escreveu.

Não gostou do presente? veja 14 regras para trocas
Portal do consumidor promete desburocratizar o atendimento
Tire 15 dúvidas sobre sua relação com os planos de saúde
Fornecedora de energia não cumpre prazo para podar galhos

Diante da reação online dos amigos, que tentaram ajudá-la, ela ainda emendou: “Já verifiquei e não vão me dar garantia e nem atendimento fora da garantia! Azar o meu!”

O problema seria, diz Fabiana, a falta de homologação, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do modelo do telefone que ela comprou no Exterior. A reportagem procurou a Apple no Brasil, via assessoria de imprensa, e não obteve resposta sobre a homologação. A empresa encaminhou um link onde constam os termos de garantia de seus produtos, e lá está escrito o seguinte:

“A Apple poderá restringir os serviços em garantia para iPhone e iPad ao País em que a Apple ou seus Distribuidores Autorizados comercializaram inicialmente o dispositivo.”

Decisão do STJ coloca fabricante nas regras do Código de Defesa do Consumidor
Mas não é bem assim, de acordo com a Proteste - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. Procurado pela reportagem, o órgão explicou que marcas mundialmente famosas têm de se responsabilizar pelo produto adquirido em loja oficial, não importa em qual país. O entendimento está baseado em decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) favorável ao consumidor, como em 11 de abril de 2000, sobre uma filmadora comprada nos Estados Unidos. 

O texto do STJ obriga o fabricante (naquele caso, a Panasonic) a se sujeitar às “regras da economia globalizada e às do Código de Defesa do Consumidor”.

Conforme a Proteste, o fornecedor da marca por aqui - no caso, a Apple brasileira - tem 30 dias corridos para reparar o produto, a partir da data da reclamação. Se ainda assim persistir o problema, cabe ao consumidor três alternativas, expressas no Código de Defesa do Consumidor: troca do aparelho, reembolso do valor pago ou abatimento proporcional no preço.

Decepcionada com a Apple, Fabiana cogitou até enviar o iPhone estragado para a Europa, para troca ou conserto, por meio de uma amiga que viajará para lá em janeiro. De acordo com a Proteste, ela tem como opções procurar uma entidade de defesa do consumidor ou entrar com ação em um juizado de Pequenas Causas.

Veja também:

Eldorado Expresso: Fome no Brasil
Fonte: Padrinho Agência de Conteúdo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade