3 eventos ao vivo

Crise leva ao fechamento de 95 mil lojas em 2015

Levantamento evidencia a dimensão da crise no varejo, que afetou todos os setores, inclusive os grandes, diz a CNC

12 fev 2016
14h56
  • separator
  • comentários

Com os consumidores apertando o cinto diante da maior recessão desde 1931, o varejo brasileiro registrou o fechamento de 95,4 mil lojas no ano passado.

Wal-Mart, maior varejista do mundo, encerrou 60 lojas no Brasil
Wal-Mart, maior varejista do mundo, encerrou 60 lojas no Brasil
Foto: Walmart/ Flickr / O Financista

O volume corresponde a uma retração de 13,4% nos comércios que empregam pelo menos um funcionário. Esse número é ainda pior entre as grandes lojas do varejo, onde os fechamentos corresponderam a 14,8% dos estabelecimentos, segundo levantamento da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

O fechamento das lojas está diretamente associado à queda no volume das vendas. “O levantamento evidencia a dimensão da crise no varejo, que afetou todos os setores, inclusive os grandes, que, teoricamente, têm mais capacidade de enfrentar o quadro recessivo. Além disso, chama a atenção porque ela está presente praticamente no País inteiro”, avalia Fabio Bentes, economista da CNC.

Pior para os hipermercados

Todos os segmentos do varejo apresentaram queda no número de lojas. Os hipermercados, supermercados e mercearias foram os mais afetados levando em consideração o número total de lojas fechadas.

Foram 25,6 mil estabelecimentos fechados no ano passado, de um setor que responde por um em cada três pontos comerciais do País. Junto com as lojas de vestuário e acessórios, o setor respondeu por quase metade (45%) das lojas que saíram de operação.

Em termos relativos, os maiores cortes aconteceram nos setores mais dependentes das condições de crédito, com destaque para material de construção, com 18,3% lojas fechadas. O segmento de informática e comunicação perdeu 16,6% dos seus estabelecimentos e o ramo de móveis e eletrodomésticos encolheu 15%.

As primeiras notícias de 2016 não são animadoras. O Wal-Mart, maior varejista do mundo, encerrou 60 lojas no Brasil.

Entre os estados, apenas Roraima não registrou fechamento de lojas, enquanto o Espírito Santo foi o mais afetado, com 18,5% estabelecimentos a menos seguido por Amapá (-16,6%) e Rio Grande do Sul (-16,4%).

Os estados de São Paulo (-28,9 mil), Minas Gerais (-12,5 mil) e Paraná (-9,4 mil) responderam, juntos, por mais da metade (53,3%) da queda no número de estabelecimentos.

Varejo em sua pior fase

O varejo ampliado, que inclui o setor automotivo e material de construção, acumula queda de 8,4% de janeiro a novembro de 2015, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado supera o primeiro recuo em 15 anos, verificado em 2014 (-1,6%), e caminha para o pior resultado da série histórica.

Com a contínua deterioração do mercado de trabalho e a persistência da inflação em patamar elevado, o desempenho em 2016 tende a continuar negativo, colocando o setor varejista no pior biênio da série histórica, segundo economistas consultados por O Financista.

O Financista Todos os direitos reservados

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade