6 eventos ao vivo

Contra crise, Lula convida premiê holandês a rezar por Obama

2 mar 2009
20h33

Vagner Magalhães
Direto de São Paulo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convidou nesta segunda-feira o primeiro-ministro holandês, Jan Peter Balkenende, a rezar com ele pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para ajudar o mundo a sair da crise financeira.

"Estou rezando mais pelo Obama do que por mim mesmo. Se ele (Balkenende) rezar lá, e eu rezar aqui, podemos ajudar o Obama a tomar as decisões sábias que o mundo precisa para sair da crise", disse Lula ao líder holandês na sede da Federação de Indústrias de São Paulo (Fiesp), em São Paulo.

O presidente brasileiro já se referiu em ocasião anterior a suas rezas para que Obama tire o mundo da crise, mas pela primeira vez convidou um dirigente estrangeiro, em visita oficial no Brasil, a se unir a suas preces.

Quanto à próxima reunião do Grupo dos Vinte (G20) em Londres, em 2 de abril, Lula reiterou que a posição do Brasil será defender uma maior regulamentação do sistema financeiro internacional e por "definir o papel de quem irá controlá-lo".

Lula opinou que esta reunião será "uma oportunidade" para "repensar" a regulação das finanças internacionais e para "pensar um novo papel" para o Fundo Monetário Internacional (FMI) e os bancos centrais.

Balkenende concordou com o presidente brasileiro nas críticas às tendências protecionistas. "Brasil e Holanda estão na mesma linha em relação ao encontro do G20. O protecionismo deve ser evitado a todo custo", manifestou.

Nesta terça-feira, o premiê holandês visitará a sede da Embraer e se encontrará com o governador de São Paulo, José Serra. No último dia de sua visita oficial, na quarta-feira, Balkende visitará a sede da Petrobras, e se encontrará com o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Com informações da EFE.

» Lula: protecionismo pode levar ao caos


» Chefe da OMC diz que Lula levaria prêmio
» Entenda a crise do crédito

»

Opine sobre a crise nos mercados financeiros

AP
Durante evento em São Paulo, presidente critica protecionismo como saída para a crise

Fonte: Invertia Invertia
publicidade