0

Compre com quatro moedas diferentes nas fronteiras do Brasil

30 out 2012
07h26

Proximidade geográfica e familiarização com o espanhol não são as únicas facilidades que colocam os países de fronteira na lista de destinos mais populares entre os brasileiros. Na hora de preparar o bolso para as despesas da viagem trocando os reais poupados, os turistas deparam com vizinhos bastante receptivos em matéria de câmbio. Em geral, além da moeda local e do dólar, o comércio das regiões fronteiriças também aceita pagamentos na moeda brasileira e até mesmo em euros, dependendo do estabelecimento.

Além da moeda local e do dólar, em geral, os países que fazem fronteira com o Brasil também aceitam pagamentos em reais e até mesmo em euros
Além da moeda local e do dólar, em geral, os países que fazem fronteira com o Brasil também aceitam pagamentos em reais e até mesmo em euros
Foto: Shutterstock



Como é de se esperar, essa flexibilidade é particularmente acentuada em áreas de livre comércio, como o Paraguai e a região dos free shops uruguaios, mas não existem critérios claros que determinem os pontos onde cada moeda será aceita. Segundo o diretor comercial da Confidence Câmbio, Fabio Agostinho, ter uma casa de câmbio que possa fazer a conversão na vizinhança contribui para que as lojas trabalhem com unidades estrangeiras, mas, para não correr riscos, o mais recomendável é adquirir a moeda do destino ainda no Brasil, junto a empresas credenciadas ao Banco Central - e se a moeda local não estiver disponível, levar dólares. "É bom passar pela fronteira levando o boleto de câmbio, para realmente sair do país de forma clara, com recursos lícitos", aconselha.



Além de ganhar mais na troca por moedas vizinhas do que por dólar - atualmente, R$ 1 pode comprar cerca de 2,30 pesos argentinos e quase 10 pesos uruguaios -, o turista que deixar o Brasil com o documento em mãos evita surpresas desagradáveis, que podem se apresentar ainda mais complicadas por se tratar de um país diferente. "Se você fizer uma compra e o dono do hotel ou do estabelecimento afirmar que a nota é falsa, você tem como comprovar que comprou o dinheiro em um lugar sério", explica Agostinho.



Outra vantagem é não perder dinheiro realizando um segundo câmbio no aeroporto, no hotel ou em casas de câmbio no exterior, de reais para dólares para a moeda local. "Não há necessidade de ficar levando dólares para tudo que é lugar. Você está indo a lazer e não pode ficar parando todo dia, perdendo duas ou três horas do passeio para se direcionar a uma casa de câmbio", observa o executivo.



Agostinho também relembra a importância do turista "não colocar todos os ovos na mesma cesta", referindo-se aos cartões pré-pagos como uma alternativa prática, econômica e segura ao dinheiro em espécie. Porém, atualmente, o peso argentino é a única moeda local disponível para armazenagem de crédito. Nesse caso, aplica-se a regra de priorizar os dólares em detrimento de reais ou euros.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
publicidade