Meu automóvel

publicidade
02 de setembro de 2013 • 07h07 • atualizado às 09h46

Entenda a diferença entre motores 8 e 16 válvulas

 

Durante os anos 90, ter um carro com 16 válvulas era sinal de luxo. Hoje as montadoras quase não lançam mais, mas há muitos ainda rodando. Você sabe, afinal, qual a diferença dele para o tradicional 8 válvulas?

Considerando um carro com motor de quatro cilindros (maior parte dos veículos de passeio), caso ele possua oito válvulas, serão duas por cilindro. Caso possua dezesseis, serão quatro por cilindro. A principal diferença entre eles é no desempenho do veículo. Um carro equipado com oito válvulas é mais ágil na arrancada e em baixa rotação. Porém, ao subir o giro do motor, nota-se uma sensação de “estrangulamento” e o motor perde eficiência, gerando menos potência.

Já o motor de “16v”, em alta rotação, tem ganhos significativos sobre o motor equipado com metade das válvulas. Isso acontece porque ele obtém mais ar para se juntar à queima de combustível. Esse tipo de motorização é indicado para quem gosta muito de pegar a estrada ou que deseja uma tocada mais esportiva ao volante. Na cidade, o 16 válvulas gasta mais do que o 8 válvulas. Já na estrada, o 16v geralmente é mais econômico.

Segundo Renato Romio, chefe do Laboratório de Motores do Instituto Mauá de Tecnologia, a febre dos carros com motor de dezesseis válvulas diminuiu, pois a indústria percebeu que o custo-benefício não valia a pena. “Além de tornar o processo de fabricação mais caro, o carro equipado com 16 válvulas é mais cansativo de dirigir na cidade. Por ter uma faixa de torque e potência em alta rotação, exige muitas trocas de marchas, ao contrário do  “8v”, que tem essa faixa de torque e potência mais baixa e permite menos mudanças”, diz Romio.

Existe um mito por trás dos motores “16v”. Manutenção cara, alto consumo, pouca potência e etc. Todo carro necessita de manutenção preventiva. Caso isso não seja feito, o custo é muito maior para reparar o dano. Seja em 8 ou 16 válvulas.

Canarinho Press Terra