publicidade
12 de setembro de 2012 • 02h47

Barroso critica líderes por tratar cúpulas como luta de boxe

Barroso criticou líderes europeus durante reunião na França
Foto: AP
 

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, criticou nesta quarta-feira - sem nomeá-los - os líderes europeus que tratam as cúpulas como "uma luta de boxe", ao tomar decisões importantes e golpeá-las no dia seguinte, criticando os processos ou o conteúdo das mesmas.

"É inaceitável apresentar as cúpulas como uma luta de boxe", declarou perante o plenário do Parlamento Europeu em Estrasburgo, em seu esperado discurso do Estado da União. Segundo Barroso, esse comportamento - "reivindicar vitória ou um nocaute sobre um rival" - gera mais problemas de credibilidade na União Euroeia (UE) e falta de confiança no bloco e em sua determinação de sair conjuntamente da crise.

Durante os últimos quatro anos a UE tomou "decisões inteligentes" para fazer frente à crise, mas os líderes não conseguiram convencer cidadãos, investidores ou parceiros internacionais, porque várias vezes permitiu que se propaguem dúvidas, acrescentou Barroso.

Dúvidas sobre a capacidade de resposta dos Estados-membros e de cumprir seus compromissos e dúvidas sobre se os 27 "realmente se respaldam" e mostram solidariedade para que o euro e o projeto europeu "sejam irreversíveis", explicou.

Barroso ressaltou que tudo isto revela uma crise política, porque, indicou, se os políticos não podem cumprir o que decidiram então não poderão convencer os demais que resolverão conjuntamente a crise.

"Uma crise deconfiança é uma crise política. A boa notícia é que em uma democracia não há nenhum problema para o qual não possamos encontrar uma solução política", comentou. Mas, para isso, "a Europa necessita uma nova direção, uma que não esteja baseada em velhas ideias, mas em novas", concluiu.

EFE