PUBLICIDADE

Ações da Oi caem após TIM recusar negociações sobre fusão

25 fev 2016 14h36
ver comentários
Publicidade
Com desinteresse da Tim com negociação, LetterOne afirmou que não poderá mais continuar o combinado
Com desinteresse da Tim com negociação, LetterOne afirmou que não poderá mais continuar o combinado
Foto: Tim/Facebook / O Financista

As ações da Oi caem forte nesta quinta-feira após a notícia de que a LetterOne, controlada pelo bilionário russo Mikhail Fridman, desistiu de promover a fusão entre TIM e Oi.

A Telecom Italia, dona da TIM, teria informado a LetterOne que não tem mais interesse em manter as negociações.

Na mínima do dia até 11h50, as ações da companhia (OIBR3) chegaram a R$ 1,76, baixa de 12,87%. Já a TIM (TIMP3) operava em alta de 2,5%, com máxima de R$ 6,54.

O plano de fusão era visto pela Oi como uma forma de melhorar sua situação financeira e competitiva no Brasil. A LetterOne se propôs em outubro do ano passado a investir até US$ 4 bilhões na operadora endividada, se ela se fundisse à concorrente. Mas com o desinteresse dos italianos na negociação, a LetterOne afirmou que não poderá mais continuar o combinado.

"A intenção da L1 Technology era destravar o potencial vislumbrado para este acordo por meio de uma estrutura em que todas as companhias estariam alinhadas. Entretanto, sem a participação da TIM, a L1 Technology não pode mais prosseguir com o acordo proposto como anteriormente vislumbrado", afirmou a companhia.

A Oi informou que avaliará as possibilidades de consolidação no mercado brasileiro. E continua a empreender seus esforços de melhorias operacionais e transformação do negócio.

O que poderia acontecer

Uma fusão entre a Oi e a TIM teria criado a maior operadora móvel do Brasil, à frente da Vivo, e juntado a operadora da segunda maior rede móvel do país com a Oi, dona da maior rede de linhas fixas.

Mas o presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, disse há um ano, antes da aproximação da LetterOne, que achava difícil encontrar qualquer atrativo convincente na aquisição da Oi. E, reciprocamente, a Telecom Italia se mostrou relutante em vender a Tim, rejeitando aproximações anteriores. 

O Financista Todos os direitos reservados
Publicidade
Publicidade